Taata Katuvanjesi embarca na próxima semana para Angola

É a segunda vez em menos de dois meses que o líder tradicional de matriz africana brasileira visita o país africano

walmir-damasceno-angolaFoto: José Armando Estrela

Itapecerica da Serra/SP – Para reunião de trabalho com o Ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, e se encontrar com a Ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, embarca semana que vem para Luanda, capital da República de Angola, o coordenador nacional do Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu (ILABANTU), Taata Katuvanjesi – Walmir Damasceno.

Antes do encontro com representantes do Governo angolano, Damasceno terá reunião com a cúpula do Comitê Coordenador Internacional que prepara a visita do Rei Bantu ao Brasil, liderado pela angolana, Dra. Judith Maria Cecília Luacute e o jornalista José Armando Estrela.

É a segunda vez em menos de dois meses que o dirigente tradicional da Ombala Tumbansi e do Ilabantu viaja ao país africano em função das tratativas e preparativos da viagem do rei do Bailundo, Ekuikui V, para uma visita oficial ao Brasil que deverá ocorrer em breve e que a mesma depende de autorização de saída do seu País por parte de autoridades governamentais angolanas, especialmente do Ministério da Administração do Território.

A viagem do Soberano Bantu ao Brasil se dá no quadro dos objetivos da Década Internacional dos Afrodescendentes, criada por resolução da Assembleia Geral da ONU, em 23 de dezembro de 2014, com o tema “Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento”.

A deslocação, que se realiza a convite do Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu, e conta com o apoio da Fundação Cultural Palmares através do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro Brasileiro, é um projeto idealizado por Taata Katuvanjesi – Walmir Damasceno, que esteve na corte do Reino em fevereiro último, e segundo ele, é a primeira visita oficial de um rei bantu ao Brasil, após a abolição da escravatura, em 1850.

Para o soberano, a sua ida ao Brasil representa a revitalização da herança cultural africana no Mundo.

No Brasil, Ekuikui V vai visitar principais capitais e cidades brasileiras como São Paulo, onde será homenageado na sede do ILABANTU/Ombala Tumbansi no município de Itapecerica da Serra, e fará palestra no Seminário Racismo e Tradições Africanas que está sendo preparado pela Coordenadoria de Patrimônio e Comunidades Tradicionais da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de São Paulo, para manter contato com a cultura afro-bantu brasileira.

O reino do Bailundo, fundado pelo rei Katiavala I, proveniente da vizinha província do Kwanza Sul, é um dos mais respeitados do país, pela sua resistência na luta contra a ocupação colonial, no século XVI.

Localizado a 75 quilómetros a norte da cidade do Huambo, o Reino tem atualmente 35 sobas, oito dos quais em regime permanente, residindo na corte.
Ekuikui V, cujo nome verdadeiro é Armindo Francisco Kalupeteka, foi entronizado em 2012, sendo o 38º rei, sucedendo Ekuikui IV.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.