Kizoomba de Mutaloombô realizada com júbilo

Itapecerica da Serra/SP – A Kizoomba de Mutaloombô, foi sem dúvida uma das mais belas do calendário festivo e tradicional realizada dia 7/5 pelo Nzo Tumbansi, terreiro de candomblé congo angola sediado em Itapecerica da Serra/SP, que culminou com mais um encontro de líderes de povos e comunidades tradicionais de matriz africana reunindo religiosos de vários segmentos do candomblé e umbanda. A Rodovia Armando Salles, principal via de acesso ao Terreiro, ficou praticamente tomada de um lado a outro de devotos do candomblé, notava-se dificuldade de encontrar espaço para estacionar nas proximidades do Nzo, as dependências do Terreiro praticamente lotadas de fiéis e vivenciandos do candomblé, de pesquisadores e estudiosos da Universidade de São Paulo(USP), liderados pelo professor doutor Vagner Gonçalves.

13198594_1008783992510104_6604292622622722780_o

O apogeu na Kizoomba foi a presença da divindade da caça Mutaloombo, incorporada pela Mam`etu Awiza Lundirê, do Nzo Ndanda Muxitu, de Miguel Couto, Nova Iguaçú, baixada fluminense, Rio de Janeiro. Observou-se o momento em que o Nkisi Mukongombila deu seu grito sagrado, convidando outros Caçadores incorporados por Taata Mutadiamy e Kiamulóji (Montemor, região de Campinas); Maganza Kikulanza, Mueliambwa, Kilandanguanji, para o brilhantismo da festa. A presença de Nkosi incorporado pelo Taata Mufumbi Kitambo, deu sentido de verificar e fiscalizar se a celebração estava a contento, partilhando energia, momento em que todos sentiram-se contagiados de alegria na celebração do mito da colheita e fartura, os Frutos da Terra’, fazendo menção aos primeiros frutos em África, uma festa comemorada no continente africano, na tradição dos povos africanos de reservar determinada época para festejar a fartura da colheita, e juntos cantar, dançar, comer e beber e comemorar a colheita das primeiras frutas e vegetais. Traria os primeiros alimentos que cresceram ou iguarias que faziam destes para a festa.

13122922_1008782505843586_4410521050153654785_o

A Kizoomba de Mutaloombo, realizada no Nzo Tumbansi objetivou reconectar os descendentes diretos de africanos com suas características ancestrais e culturais, embasado nas tradicionais festas africanas, disse Taata Nkisi Katuvanjesi – Walmir Damasceno, líder do Terreiro, ao falar para mais de uma centena de seguidores do candomblé na abertura da celebração. Afirmou que a festa tem o sentido de comemorar a semelhança de como faziam nossos ancestrais antes de serem sequestrados pelos Europeus, nesta festividade o coordenador nacional do ILABANTU alertou para o grave momento que o país atravessa, caminhando para um retrocesso sem precedentes na sua história, conclamando a todos a repudiar toda e qualquer tentativa de perseguição.

Líderes de terreiros na Kizoomba

Diversas e variadas lideranças de terreiros prestigiaram o Nzo Tumbansi na noite fria em Itapecerica da Serra, região metropolitana sul da Grande São Paulo, a exemplo de Mam`etu Nkisi Luijide, representando o Kupapa Nsaba – RJ; Taata Mavile (Nzo Mavile Junsara);Taata Kiamuiji;Taata Kiamulóji; Bàbàlòórisà:Gambi d`Sàngò, Emerson d`Sàngò, Marquinhos Walê d`Logun-Edê, Victor de Logun-Edé(Valo Velho.Itapecerica da Serra), Beto d`Oyà (Jardim Branca Flor, Itapecerica da Serra), Ubaldo Ricardo d`Oyá (Parque Paraiso, Itapecerica da Serra), Ekedji Aline d`Osun e dofono Anderson d`Ògùn, representando o Ile Asè Odé Kojá; Kiri d`Oyà (Carapicuíba/SP). Lázaro Thiago d`Osogiyan (Carapicuíba/SP); o Rio de Janeiro foi representado com maestria pelo renomado Taata Nkisi Ananguê e sua filha, Mam`etu Matambenganga e demais integrantes da comitiva carióca.

O evento foi finalizado com um lauto churrasco e outras iguarias e bebidas variadas e todos saíram alimentados física e espiritualmente.

Katuvanjesi cumprirá intensa agenda na Bahia

Esta semana Taata Nkisi Katuvanjesi cumpre uma agenda intensa de reuniões e participação em diversos e variados eventos. Dia 12, em Salvador pela manhã participa de reunião de Coordenadores da Federação Nacional do Culto Afro Brasileiro (Fenacab), no período da tarde será recebido às 16h00 pela professora Célia Sacramento, vice-prefeita de Salvador. Dia 13 será homenageado na Câmara Municipal de São Francisco do Conde, região soteropolitana de Salvador, com o Troféu Axé Destaque por indicação da ativista do movimento negro e de candomblé baiano, a delegada da polícia civil Patricia P. Crisóstomo, de Nkosi.

Dia 14, às 17h00 participa da Kizoomba de Ndanda-Nlunda no Manso Dandalunda Concuazenza, avenida Aliomar Balleeiro, 1889, Estrada Velha do Aeroporto, periferia de Salvador, a convite da Mam`etu Kinha, matriarca do Terreiro fundado em 1940 e regido por Nkosi (Ogum) e Ndanda-Lunda (Oxum). Dia 18, Katuvanjesi rumará para o interior da Bahia e fará Conferência, ao lado da Mãe Bárbara (Mam`etu Kafurêngá), no Terreiro Caxuté, a convite do Coletivo de Estudos e Pesquisas de Matriz Africana, com tema “Ancestralidade Bantu no Baixo Sul da Bahia: memória e convivência religiosa com Mam’etu Kasanji, às 14h00 no auditório Tempo Livre, da Escola Caxuté, em Valença, região da costa do dendê.

O objetivo da conferência é alimentar o acervo do memorial Mam`etu Kasanji, idealizado pelo Taata Luangomina, pesquisador sobre a trajetória de Mãe Mira (Mam’etu Kasanji) que estará sendo criado pela Associação Religiosa e Cultural Terreiro Caxuté Tempo Marvila Senzala do Dendê, para, como também, contribuir com a produção de registro sobre a convivência religiosa de dois sacerdotes que tiveram em suas vidas a presença sacerdotal da saudosa rainha negra do território do Baixo Sul. A conferência trará trocas de experiências do Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi e da Mam`etu Kwa Nkisi Kafurêngá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.