Doutorando norte americano da Duke University (Carolina do Norte) chega sexta-feira ao Nzo Tumbansi

New York/NY – Nova York/EUA – Damien – Adia Marassa, (na tradição congo-angola, sua dijina é Kimona Muilo) será recebido no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos na manhã do dia 23, sexta-feira, e recepcionado pela família Inzo Tumbansi/ILABANTU, em Itapecerica da Serra. Nascido nos EUA e residente atualmente no estado de Nova York, Damien vai iniciar o novo neste pedaço do Brasil, realizando trabalhos pessoais e estudos culturais e linguísticos a fim de completar sua tese de doutorado junto da Duke University (Carolina do Norte).

Adia Marassa – Damien

Os aspectos espirituais, linguísticos e culturais do estudo dos povos Afrodescendentes no Brasil ligados a sua pesquisa de doutorado na Duke University fazem parte da cosmovisão Afrodiapórica de imprensa e letras negras, segundo ele, também chamada “aparato de black performance”. Damien vê e compara em seus estudos e pesquisa a sintonia e contiguidade desses elementos de vida cotidiana, intelectual e literária entre os mundos Anglófono e Lusófono na diáspora africana, apontando ressonâncias entre as vidas e os escritos de atores e autores dentro da tradição de letras negras como Frederick Douglass e Machado de Assis, Francisco de Paula Brito e W.E.B. DuBois.

Em 2011, Damien começou uma nova etapa de sua vida com uma jornada espiritual e acadêmica ao Brasil, ao ser contemplado com um prêmio federal dos Estados Unidos para o estudo da língua portuguesa na PUC-SP. A viagem marcou sua volta ao país depois de 17 anos, nessa que seria sua segunda e longa visita, a partir da qual ele tem se desenvolvido dentro da tradição Tumbansi com sua iniciação a Lembarenganga e Nkosi e tem se aprofundado no estudo de escritos negros em inglês e português.

Sua pesquisa gira em torno da questão da herança negra na diáspora Africana das Américas, do conceito de “black writing” – ou escrita negra – e letras negras e do aparato da imprensa negra. Suas produções indicam a sintonia e reciprocidade entre a vida intelectual, espiritual, acadêmica e literária dos povos afrodescendentes nas Américas. Formado em estudos africanos e afro-americanos, literatura comparada com atenção aos estudos feministas, e com dois mestrados em inglês (University at Buffalo e Duke University), Damien busca completar em 2017 sua tese de doutorado sobre a obra de Machado de Assis e seu lugar na imprensa negra em relação e comparação à tradição de literatura afro-anglófona dos Estados Unidos.

O desejo dele é continuar a disponibilizar a falantes de português mais informação, textos, e mídia de autoria afro-anglófona do século XIX, e também traduzir, editar e analisar textos de afrodescendentes diversos(as) no Brasil desse mesmo período (século XIX) para leitores(as) do idioma inglês.

Sua volta ao Nzo Tumbansi e participação formal junto do ILABANTU vem trazendo nova energia, perspectiva e inspiração para suas pesquisas, sendo o terreiro e instituto fundado e dirigido por Taata Katuvanjesi, no olhar do Damien, “um lugar de valores únicos e inestimáveis para o patrimônio do povo brasileiro, precioso para preservação e resgate de culturas sagradas de cosmovisão e herança do povo bantu no Brasil, essencial para a valorização mundial de culturas da diáspora africana”. Damien vê o Nzo Tumbansi/ILABANTU como “um centro de múltiplas dádivas para a humanidade, à medida em que povos de linguagens e origens distintas chegam a ter acesso ao vocabulário, a história, e a convivência com elementos da riqueza afro-brasileira”. Ele anseia participar da divulgação em inglês de informações relevantes a tal processo de intercâmbio mundial com o povo bantu do Brasil e suas tradições.

Músico, poeta, amante de cinema, Damien, que seu autodenomina “eterno estudante das memórias póstumas das letras negras”, faz incursões por diferentes linguagens. No link abaixo, é possível verificar alguns de seus textos acadêmicos e poesias suas já publicadas.
https://duke.academia.edu/DamienAdiaMarassa

Maganza Ndembwemi – Liliane Braga
Doutoranda em História Social – PUC/SP
Pesquisadora do CECAFRO – Centro de Estudos Culturais Africanos e da Diáspora
Membro da Caribbean Philosophical Association (Associação Filosófica Caribenha)
Afiliada ao Migration and Diaspora Student Society (MDSS), Carleton University (Ottawa – Canadá).

1 comentário em “Doutorando norte americano da Duke University (Carolina do Norte) chega sexta-feira ao Nzo Tumbansi”

  1. Damien-Adia Marassa

    Obrigado Taata, agradeço pela sua generosidade e seu apoio. Estou muito animado e honrado fazer parte das suas atividades e comunidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.