Câmara Municipal de Itapecerica da Serra certifica regularidade da utilidade pública de Terreiro de Candomblé

Depois de viagem histórica a Angola (abril e maio) deste ano, onde foi consagrado Mwanangana, membro da Corte Real Lunda Tchokwe de Mwatchisenge Wa Tembo, liderado pelo soberano Lukhasa João, que lhe presenteou e permitiu trazer para o Brasil o jogo de Ngombo, oraculo espiritual e ancestral desse povo da Lunda Sul, leste daquele País da África central, Tata Nkisi Katuvanjesi (Walmir Damasceno), coleciona feitos importantes que Inzo Tumbansi tem de sobra para comemorar. Em 2020 o Terreiro foi declarado de utilidade pública através da Lei Ordinária 2.837 do município de Itapecerica da Serra, no início do ano foi inserido no roteiro de turismo religioso da cidade pela Secretaria Municipal de Turismo, em 1 de agosto deste ano teve seu tombamento aprovado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico, órgão da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e dia 25 de agosto a Câmara Municipal de Itapecerica da Serra, através do seu vereador-presidente, Valdemir dos Santos Oliveira, o Val Santos, emitiu Certidão de Regularidade da Utilidade Pública 04/2022.
Inzo Tumbansi, Candomblé de feição bantu, fundado na cidade baiana de Ipiaú e transferido para São Paulo no ano de 1988, funcionou em diversos bairros da zona norte da capital paulista para posteriormente ser instalado em Itapecerica da Serra em 20 de dezembro de 2007, é mantido pelo Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu (ILABANTU), associação civil privada sem fins lucrativos, considerado espaço de vivências de saberes e fazeres ancestrais tem se engajado em lutas por políticas em defesa da cultura africana, em particular dos Bantu, que marca a população brasileira.
Com suporte do ILABANTU, o Inzo Tumbansi, tem se destacado na luta antirracista, principalmente em defesa dos direitos humanos e das mulheres, dando visibilidade as culturas dos povos e comunidades tradicionais de matrizes africanas, desenvolvendo projetos e ações de salvaguarda do patrimônio africano na diáspora dessa variante do candomblé kongo angola, Terreiro este vinculado ao Terreiro Tumbenci de Maria Neném (Salvador, Bahia), tornou-se marco histórico de preservação das africanidades bantu na Grande Selva-de-Pedra paulistana, um remanescente de floresta Atlântica que propicia refúgio para uma fauna pouco conhecida e que sobrevive na maior metrópole do país, e tem sido referência pelas lutas empreendidas na preservação dos territórios sagrados, que não é fácil em uma São Paulo cosmopolita. O “retorno à África”, como fez Tata Nkisi Katuvanjesi, é um modo de territorialização diaspórica do espaço urbano, condicionando a organização política dos movimentos religiosos, a formulação de suas demandas sociais e a implantação das políticas públicas, influenciadas pelos discursos políticos dos movimentos sociais negros, da academia e do Estado.
Para Tata Nkisi Katuvanjesi (Walmir Damasceno), idealizador e fundador do ILABANTU, é importante destacar que a história brasileira é marcada por vários episódios de luta popular em defesa de direitos, que garantem dignidade, respeito e, acima disso, a vida. É neste contexto, que o povo negro, vítima da diáspora que os retirou do seu continente de origem – África -, o Inzo Tumbansi está focado no enfrentamento cotidiano na defesa de todas as dimensões sociais e culturais que reafirmam o lugar de protagonismo na construção de uma identidade e representatividade social das comunidades tradicionais de terreiros, espaços de práticas da cosmovisão africana e de produção de conhecimentos.

3 comentários em “Câmara Municipal de Itapecerica da Serra certifica regularidade da utilidade pública de Terreiro de Candomblé”

  1. Macota Babaoni D'nhanzanbi

    Parabéns, eu tive a honra de conhecer
    Tata Nkisi Katuvanjesi, a muito anos passados, em encontros, palestras e etc. Realmente ele sempre defendeu a religião com muito amor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.