Universidade Federal de São Paulo lança segunda fase do mapeamento de terreiros de candomblé kongo angola

Pró Reitoria de Extensão e Cultura, o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), e o Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu (ILABANTU), lançou esta semana edital que torna pública a abertura de seleção de bolsistas para atuarem na segunda fase do Projeto de Mapeamento das Comunidades Tradicionais de Terreiros de Candomblé Kongo Angola na Capital de São Paulo. Em sua primeira etapa, o Projeto, coordenado pela professora Renata Gonçalves, atual coordenadora do NEAB/Unifesp, mapeou, enfrentando todas dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19, comunidades de Terreiro de Candomblé Kongo Angola. Nesta segunda fase, lançará mão de metodologias participativas, etnográficas e quantitativas para aprofundar a coleta e análise dos dados de forma a oferecer um mapeamento mais amplo das comunidades tradicionais de matriz Bantu paulistana.
O projeto mapeamento dos terreiros de candomblé Kongo angola tem como objetivo conhecer o universo das religiões afro-brasileiras na cidade de São Paulo, principalmente àqueles relacionados aos aspectos socioculturais e demográficos. Pretende-se construir um banco de dados com a perspectiva de que este resultado possibilite a construção de políticas públicas que beneficiem este segmento cultural e tradicional, o seu fortalecimento na luta pela liberdade religiosa e a valorização do patrimônio africano na maior metrópole do país.
Nesta segunda fase, o projeto tem coordenação geral do professor doutor Deivison Nkosi, e coordenação técnica de Tata Nkisi Katuvanjesi, do ILABANTU. Os editais Mapeamento Comunidades de Terreiros são destinados para Extensionista, com requisito de ser integrante de comunidade de terreiro, que viva, preferencialmente, no entorno do município de São Paulo; alunos bolsistas, ser estudante de Graduação na Unifesp, e para Pesquisador Social, ser Estudante de pós-graduação com pesquisa com experiência em áreas voltada às culturas de matriz africana.

Para maiores informações acessar link: https://www.unifesp.br/reitoria/proec/editais


2 comentários em “Universidade Federal de São Paulo lança segunda fase do mapeamento de terreiros de candomblé kongo angola”

  1. Mokoiu somos o Ilê Zaze Luango Axé lepanzo kaiango cada de candomblé Angola Raiz Tombenci família de seu katurazambi Raíz Localizado na zona leste de São Paulo no bairro de vila Guilhermina Rua Peiropolis n 107 para mais informações sobre nós temos uma página no Facebook com o mesmo nome e no Instagram axé.lepanzo o Axé é conduzido por Mameta Kaianguele

  2. Tânia Amara Vilela Gonçalves

    Que maravilha. Gostaria de participar dessa segunda fase. Acredito que dessa vez conseguiremos realizar o Mapeamento de modo presencial, dada a fase da Pandemia, já com a vacinação. Nesse sentido, poderemos realizar um trabalho mais consistente e satisfatório do que o realizado na primeira fase. Isso dará suporte à uma conclusão mais abrangente do número de Terreiros que poderão ser pesquisados.

Deixe um comentário para Tânia Amara Vilela Gonçalves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *