Taáta Katuvanjesi saúda africana da Guiné-Bissau eleita deputada de esquerda para Parlamento Português

http://inzotumbansi.org/home/wp-content/uploads/2019/10/img_796x4932019_10_07_01_58_37_362372-Joacine-Katar-Moreira.jpghttp://inzotumbansi.org/home/wp-content/uploads/2019/10/img_796x4932019_10_07_01_58_37_362372-Joacine-Katar-Moreira.jpgTaáta Katuvanjesi saúda africana da Guiné-Bissau eleita deputada de esquerda para Parlamento Português

“Pretas e pretos, povos e comunidades tradicionais de matrizes africanas e de terreiros que revivem por aqui esses momentos assombrosos, sentem-se fortalecidos e não cansemos da luta do Resistir para Existir com olhar no futuro e a aposta na igualdade e na revalorização dos aportes culturais dos africanos e seus descendentes, a eleição de Joacine Katar Moreira, e demais negras de origem Guineense para o Parlamento Português, se traduz em contribuir para um mundo com mais justiça social, democrático e igualitário, feminista radical e anti-racista”, disse Tata Nkisi Katuvanjesi (Walmir Damasceno), coordenador geral do ILABANTU – Nzo Tumbansi, ao saudar a fundadora do Instituto da Mulher Negra de Portugal, eleita deputada neste domingo para o Parlamento português pelo partido de esquerda, Livre.

O Livre, partido de esquerda de Portugal fundado em 2014 pelo historiador Rui Tavares assegurou, pela primeira vez, representação no Parlamento.
Joacine Katar Moreira foi a cabeça de lista por Lisboa e será a representante do Livre no Parlamento. A futura deputada tem 37 anos e é natural da Guiné-Bissau. Licenciada em História Moderna e Contemporânea – vertente de Gestão e Animação de Bens Culturais e mestre em Estudos do Desenvolvimento. É doutorada em Estudos Africanos pelo ISCTE-IUL. Foi bolsista como pesquisadora de trabalho em arquivos e consultora em Organizações não-governamentais. É ativista anti-racista.

Depois de ter alcançado 2,18% dos votos nas eleições europeias de 2014, ficando à beira de eleger Rui Tavares para o Parlamento Europeu, a coligação Livre-Tempo de avançar não foi além dos 0,73% nas legislativas do ano seguinte. Já em maio último, o partido voltou a crescer nas urnas ao obter 1,83% nas europeias. A cabeça de lista do Livre por Lisboa, eleita nas legislativas de domingo, afirmou hoje que “não há lugar para extrema-direita no parlamento”, salientando que o seu partido será “a esquerda anti-fascista e anti-racista”.

“Não há lugar para extrema-direita no parlamento português”, gritou Joacine Katar Moreira no púlpito montado na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa, após confirmar que tinha garantido a eleição”. Taáta Katuvanjesi(Walmir Damasceno) deverá se encontrar nos próximos meses com a Guineense Joacine Katar Moreira e demais ativistas anti-racistas no giro que o Representante do ILABANTU – Nzo Tumbansi fará pela Europa.

Author Description

admin

No comments yet.

Join the Conversation