Taata Katuvanjesi reúne em Almoço Tradicional personalidades do candomblé, estudiosos e pesquisadores

Taata Nkisi Katuvanjesi – o jornalista baiano Walmir Damasceno, coordenador nacional do ILABANTU e dirigente tradicional do terreiro de candomblé congo angola Nzo Tumbansi, reunirá nesta sexta-feira (19/2), em Almoço Tradicional, a partir das 13h00, na sede da instituição, em Itapecerica da Serra, região metropolitana sul da Grande São Paulo.

cleomartinsCléo Martins, Agbeni Xangô do Ilê Axé Opô Afonjá

Personalidades do universo tradicional de matriz africana e afro brasileira, como a advogada Cléo Martins, Agbeni Xangô do Ilê Axé Opô Afonjá, Aya Ode do Ilê Olofacosin, Ìyà Agan do Ilê Baba Adeboulá, Yalorixá fundadora do Ilê Axé Asiwaju, em Santana de Parnaíba, região oeste da Grande São Paulo; Mario Pfeifer, artista visual alemão, da Fundação Cultural Berlin, Alemanha, acompanhado do brasileiro Rodrigo Rodrigues, assistente, cientista social, fotógrafo e interprete; a professora e modelo paulista, ativista do movimento negro, Adriana Vasconcelos; Claudia Alexandre (jornalista/Portal Áfricas e programa Papo de Bamba); Leonardo Vitulli (fotógrafo Agência Áfricas); Antropólogo Pedro Neto; Jeferson Virmondes da Costa, pai Jeferson, presidente da Associação de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana Katina da Silva e vice-presidente do Conselho de Povos Tradicionais de Matriz Africana de Embu das Artes; Makota Maiangansi – Veridiana Machado, mestra em Psicologia pela USP; a angolana Judith Maria Cecilia Luacute, secretaria de relações internacionais do ILABANTU/Nzo Tumbansi; Deivison Nkosi, doutor em sociologia pela UFSCar; bàbàlòórisà Sergio d`Odé, do Ilê Axé Ode Kojá (Parelheiros, zona sul de São Paulo); bàbà Ubaldo d`Oyá; Taata Alamussanji, ambos de Itapecerica da Serra; além de outros convidados.

Com os convidados, o dirigente tradicional do Nzo Tumbansi, terreiro de candomblé e coordenador nacional do ILABANTU pretende discutir parceria em ações de combate ao racismo, luta por garantia de direitos e impulsionar o projeto de revalorização dos aportes culturais dos africanos e seus descendentes no Brasil e América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.